JUCI 

REIS 

Sem-Título-1.png

Juci Reis, nascida no Recôncavo baiano, é co-fundadora do Harmonipan Estúdio e diretora do Flotar Programa. Realiza pesquisas nas áreas de metodologia da História da Arte e Etnomusicologia. Organizou entre os anos de 2011 a 2017 o projeto Africadeus: O repercutir da Música Negra, 1972, junto com Naná Vasconcelos. Desenvolve trabalhos de curadoria e gestão cultural nos CCBs: Centro Cultural Brasil - México, Centro Cultural Brasil - Angola e Centro Cultural Brasil - Moçambique. Participou como curadora dos processos de seleção da Destinação Brasil Feira do Livro de Guadalajara entre 2017 e 2019. No ano de 2019 - 2020 atuou como curadora do projeto Close to There < > Perto de Lá, intercambio internacional de artistas em colaboração com Comfort Station (Chicago, USA), Projeto Ativa (Salvador, Brasil) e Harmonipan (México), projeto com apoio da MacArthur Foundation International Connections Fund. Este ano está coordenando e curando projetos apoiados pela Lei Aldir Blanc, Bahia Brasil, nas áreas de literatura, artes visuais, e música. Finaliza o semestre de 2021 com o projeto Música Fora da Curva: Experimentalismos e Vanguardas Musicais no Brasil a convite do Sesc 24 de Maio, São Paulo, Brasil

Jandira, é um livro - coisa, livro nada, objetivado, trans-poético, que narra a transição do tempo de Jandira, personagem ausente, volátil, materializada em tela de cetim e maços de arruda seca, costurados com fio branco e agulhas com cabeça dourada. Uma re-invenção para trazer de volta algo perdido. O objeto ou livro de artista foi feito no ano de 2012, no recôncavo baiano, embaixo de um pé de jaca. Formatos: tridimensional 28 x12 x 5 cm, materiais: tecido de cetim, fio branco, 13 agulhas cor de prata com ponta dourada, arruda orgânica seca, papel algodão de 200 gramas. O objeto está conectado a um conto, ou escrita expandida de 13 linhas, em papel algodão.

  • iconinstagram
Selo_PABB-6.png